sábado, 20 de março de 2010

Pesquisas pela internet

Hoje eu vi uma série histórica vinda de uma pesquisa pela internet, sobre a tendência de compras pela internet. Em 2007 o percentual de pessoas que compram pela internet era maior do que o atual e o mais ou menos dobro do número dado pela Statistic Canada, o orgão oficial de estatistica daqui, tipo o IBGE. E o sujeito foi em frente, explicando a tendência "há dois possíveis motivos, um deles é a recessão, que fez com que menos pessoas passassem a comprar online, a outra possiblidade é que pessoas de mais idade estão acessando a internet e eles são menos confortáveis para fazer compra pela internet..." e quando questionado sobre o tamanho do número comparado com o oficial "eu perguntei para várias pessoas no escritório e só um não tinha comprado pela internet no último ano..."

No segundo motivo dado, sobre as pessoas de idade, ele levanta um sério problema de representatividade da própria pesquisa, que então não deveria ser tida como cobrindo a população Canadense. E uma dica para o que segundo eu penso é a real causa do número alto que cai com o tempo. A pesquisa pela internet cobre apenas o universo de pessoas confortável com a internet.Não é qualquer um que se registra para esse tipo de pesquisa, e quanto mais para o passado você vai, maior a disparidade entre os que se registram para um painel online (grupo de pessoas que se cadastram para receberem pesquisas) e a população geral. Dessa forma, o painel online vai se aproximando mais e mais da população geral como passar do tempo, e perdendo o viés em certos tipos de informação. O que acontece é isso, o painel está ficando melhor, cobrindo melhor a população, por isso o número está caindo em direção ao oficial (mas ainda bem inaceitável).

Ok, dito isso, ponto que quero colocar é o quanto pessoas que trabalham com pesquisas não só não são preparados para tal, com total falta de conhecimentos de princípios básicos de amostragem e cobertura, mas também o descaso deles em fazeram as coisas melhores, quer melhorando a cobertura ou melhorando a forma com que reportam os resultados. Imagine, as duas explicações acima. Elas, quando na imprensa, são lidas/ouvidas pela população e poucos são os que vão questionar, todo mundo tem isso como verdade e as pessoas comentam com os amigos que tem menos pessoas comprando menos online por causa da crise. Poucos são os que questionam, pois poucos tem treinamento para isso (essa é minha teoria). E assim esse tipo de pesquisa prolifera e empresas fazem rios de dinheiro em cima delas.

Hoje no almoço eu tava comentando com o chefe como as pesquisas online são perigosas. De volta ao Brasil eu era um dos responsáveis pela implantação do painel online no Brasil e lá, testando os resultados contra os de pesquisas pessoais, pudemos ver que havia enorme viés para alguns temas enquanto que para outros os resultados pareciam bons. Até hoje eu não ando de bem com as pesquisas pela internet, talvez as coisas mudem, mas acho que elas banalizam e ignoram todos os princípios da amostragem, quer pela ignorança na execução, quer pela ignorança na interpretação dos resultados. Qualquer um pode passa a ser capaz de fazer "pesquisas" e divulgar resultados...

Nenhum comentário: