domingo, 29 de março de 2009

Around the Bay 2009



E hoje foi o dia da corrida. Mas comecemos a falar de ontem. Eu resolvi fazer um treino curto, de uns 5Km, para ver como estava e para dar uma soltada. Foi a noite e eu me senti bem. Resolvi que ia tentar melhorar o tempo do ano passado. Afinal neste ano eu treinei, ainda que em ritmo reduzido, durante todo o inverno. Ano passado não teve nem ritmo reduzido. A estratégia seria simples, manter 5min/Km para tentar aumentar um pouco no final e conseguir um sub 2h30m. Ano passado eu fiz 2h33m e na verdade essa meta deste ano é meio modesta, eu sabia que não conseguiria muita coisa. Apesar dos treinos no inverno, foram raríssimos sequer treinos de 15Km. Eu sabia que seria duro depois do Km 15, por isso nada de metas mirabolantes, mas eu tinha pelo menos treinado mais que o ano passado.

Ontem sábado, alem do treino pra soltar a noite, fomos buscar os kits. Eu fui com dois novos colegas brasileiros que moram aqui faz tempo, o Hans e a Beatriz (comigo aí na foto). Os dois são gente fina e o Hans tá treinando pra um Iroman na França. Ele é uma das pessoas mais focadas que eu já vi, e eu conheci ele numa época que eu não tenho ligado mais para provas. Mas estou acompanhando a saga dele. Bom, no kit tinha uma novidade, o chip era um chip tipo descartável, a gente podia ficar com ele pra gente (primeira foto). Não que isso tenha algum valor pra mim, mas foi algo interessante.

Eu costumo falar pro pessoal que no Brasil não só temos mais corridas, mas elas também são mais evoluídas e melhor organizadas que as daqui. Por exemplo, essa Around the Bay é uma das provas mais famosas e maiores do Canadá, e ainda assim era inacreditável a fila que tinha para colocar as coisas no guarda-volumes e para pegar depois ainda pior. Pior ainda, era horrível ficar na fila pois tinha chovido, os corredores estavam molhados e com frio querendo se trocar. E a gente paga 2 dolares mais uns 60 dolares pela inscrição. Outro ponto ruim é pegar o kit no sábado, sem choro nem vela, quando eles sabem que a maior parte dos corredores é de fora. Ainda, o ginásio onde o pessoal fica antes da largada não é muito grande, acaba ficando congestionado em todo lugar. E eu achava normal que a corrida não fosse lá otimamente organizada pois afinal de contas ela é beneficiente. É como se a São Silvestre fosse uma corrida beneficiente (eita nós, isso tá longe). Mas aí aparece esse chip que é descartável e que ainda não temos no Brasil (eu acho). A corrida também tem tempos parciais para 10, 15 e 20 Km, o que poucas corridas no Brasil tem. Então parece que em termos de tecnologia eles são melhores de qualquer forma.

Ok, hora da largada, perdi uns 3 minutos e depois foi tranquilo, apesar de muita gente. O que não foi tranquilo foi a chuva com temperatura em torno de 6 graus. Isso não era bom e era menos bom para um prova de 30Km. Eu estava de shorts, mas com duas blusas, a de cima fina. Estava com luvas também, mas ainda assim sentia frio nas mãos pois as luvas começaram a molhar. Eu senti frio nas mãos o percurso todo, mas isso não atrapalhou, só que correr na chuva com 6 graus não é agradável de qualquer forma.

Quando comecei, a minha estratégia era mentar sub 5min/km, mas nao muito abaixo. Passei o primeiro Km com 4m56s, mesmo com o congestionamento da largada, então eu percebi que não seria difícil manter o ritmo no começo. alguns Km eu ficava 12 ou 15 segundos abaixo dos 5 min/Km e acho que até o Km 18 mais ou menos nenhum foi acima. Mas eu comecei a ficar cansado e vieram as subidas e descidas. Eu fiz muita força para não andar e mais do que isso, para manter pelo menos 5 min/km mas estava difícil. No Km 16/17 eu tinha praticamente 2 minutos de vatagem sobre os 5min/km, que eu tinha conseguido por correr mais rápido que isso. Mas aos poucos toda essa vantagem foi comida pelas subidas e pela falta de pernas. Eu tentei uma reação nos 4 Km finais, mas pouco consegui. No Km 28 eu percebi que não faria sum 2h30, mas estava no 28, segurei o ritmo, queria terminar logo, minhas pernas doiam.

Cruzei a linha de chegada com 2h31 minutos, 2 a menos que no ano passado, o que foi bastante bom já. Só que terminei bastante cansado, em dúvida se tenho tempo para me preparar para a maratona de Mississauga que tem daqui um mes. Veremos...

sábado, 28 de março de 2009

Chegando o dia

Amanhã temos os 30Km da Around the Bay. Hoje vou buscar o kit com um colega brasileiro que vai correr também. Embora eu esteja pensando pouco na corrida, sinal que corridas realmente já não tem para mim o mesmo apelo que sempre teve, eu confesso que sei que não vai ser fácil. Os treinos até esse momento evoluiram muito mal.

A duas semanas eu fiz uns treinos mais longos, consecutivos, mas sequer cheguei a 20Km. Ha uma semana tentei correr um longo novamente, mas não estava com perna suficiente. Neste última semana resolvi descansar pensando que não adianta treinar, eu tô destreinado mesmo então melhor chegar lá o mais descansado possível. Mas pensando em não ficar travado, ontem a tarde eu fui para uma corridinha na rua que revelou eu estava com as pernas bastante travadas. Foi dificil rodar os 5Km, as pernas não iam. Mas eu me mantive firme e terminei e inclusive terminei tentando correr rapido.

Ontem descansei e hoje de manhã vou buscar o kit. A tarde pretendo dar uma corridinha para soltar para amanhã, vamos ver. Quando me inscrevi para essa prova eu esperava fazer melhor que o ano passado, tinha certeza que ia conseguir pois meus treinos no inverno tem sido muito melhroes, mas a verdade é que pode não ser suficiente, pode inclusive ser pior. Sei lá, vamos ver amanhã..

terça-feira, 24 de março de 2009

Grizzly Man

Esses dias eu assisti esse filme/ documentário que conta a estória real de um sujeito dos Estados Unidos que passava todos os verões no Alasca, vivendo com os ursos. O filme é na verdade na sua maior parte um apanhado de imagens feitas por esse sujeito chamado Timothy Treadwell. No tempo que ele passou com os ursos, ele fez muitas e muitas horas de filmes onde aparecem ele, os ursos e um fox (eu acho que fox em portugues eh raposa). Nesses filmes encontramos imagens impressionantes de como ele chegava perto dos ursos selvagens sem ter nenhum tipo de proteção. Também é impressionante a paixão que ele declara por esses animais, e o motivo de ele fazer isso - proteger os ursos e criar uma consciencia a respeito do urso e de seus problemas. Mas o mais impressionante talvez seja que no final das contas ele foi comido por um urso. Sera cômico não fosse trágico. E mais trágico é que ele havia convencido uma jovem, sua namorada, a ficar com ele lá no meio do mato junto com os ursos, e ela teve o mesmo destino.

Acho que o filme é interessante em certo ponto por levantar a questão de se o que ele estava fazendo era correto ou não. Eu não pude deixar de pensar que ele teve o final que procurou e a parte realmente triste foi que ele levou a namorada junto. Os ursos são extremamente perigosos, e são irracionais. Chegar perto de ursos selvagem é uma coisa que me parece simplesmente muito infantil. Fora isso, o método que ele escolheu para proteger os ursos é estranho e não faz sentido. Imagino que muito mais eficiente seria se ele gastasse o tempo lutando pela causa junto aos governos dos EUA e Canadá e junto a população desses países. E esse não é nem o único ponto, ha outros. Por exemplo, certamente os ursos não achavam a presença dele lá uma coisa legal. Se vc gosta dos ursos, deixe eles lá, em seu ambiente natural, não vá lá incomodar eles e modificar o ambiente deles indroduzindo sua presença que certamente é um elemento estranho para eles e porntanto contribuindo para a modificação de seu ambiente natural. Outro ponto é que se os ursos ficarem familiares com os seres humanos e acostumarem com sua presença, eles serão mais vulneráveis e presas mais fáceis dos caçadores.

Em uma entrevista com os nativos da região eles dizem que sempre tiveram uma relação de respeito com os ursos, cada um com seu território. Essa seria a forma certa de conviver com o urso, se ele quer viver no meio do mato. Em outra entrevista um pesquisador disse que os ursos estão bem, obrigado. Não estão ameaçados de extinção. A situação deles não é preocupante, eles são monitorados e vivem num parque controlado e protegido, no caso desse lugar no Alasca (embora pelo que eu sei a caça controlada é permitida). Então enfim, porque não defender algo que precise ser defendido ao inves de defender o urso. Então não sei se a questão era proteção ou aparecer na mídia, ficar famosão. Ele ficou, principalmente depois que encontraram ele na barriga do urso...

domingo, 22 de março de 2009

Começo da Primavera





Hoje é o segundo dia da primavera. Não podemos reclamar, a neve se foi praticamente toda e a temperatura subiu, eu tenho conseguido correr quase sempre de shorts mas ainda quero tirar a blusa...

O treino de hoje teve em torno de 11 Km e eu aproveitei para tirar as fotos de sempre.

Nas duas primeiras fotos eu foquei no esquilo. Eles não deixam chegar muito perto e o zoom da câmera não é bom, especialmente quando não tem muita luz. Ou eu não sou bom, sei lá.

Depois uma foto da trilha em uma parte onde a neve ainda não derreteu por completo, mas tá quase lá. Messes lugares em que a neve tá derretendo o piso é muito úmido e as vezes o tenis fica molhado. Hoje nem tanto pois a temperatura estava baixa e a neve estava razoavelmente congelada. Fora a neve que vemos nas trilhas mais no meio do mato (acho que lá é mais frio), não se vê mais neve. Algum pouco em algum estacionamento onde fizeram um grande monte, e é só.

A última foto é o começo da Belt Line. A trilha já está completamente sem neve e gostosa para correr. Embora eu esteja de shorts a temperatura não estava muito boa, digo, estava um pouco frio, 2 graus positivos. Indo para o norte e contra o vento, a sensação térmica era seguramente bem abaixo disso. Eu quase me arrependi de não ter colocado uma calça e mais blusa, mas depois que eu esquente tudo foi bem. A idéia é que estamos na primavera portanto nada de calça, vamos usar calça para correr só no final do ano, em Novembro, se tudo der certo...

O resto das fotos que tirei hoje está aqui. As fotos no final são de uma trilha que tem aqui perto, mas tem umas escada e é curta, por isso não é bom para correr, no entanto é um lugar legal, bonito, onde também ainda achei um pouco de neve sem derreter.

Perdido

E nem começa a primavera direito e a gente já se aventura por novos percursos e se perde...

Pois é. Sabadão e eu tinha decidido que era melhor treinar com 4 graus a tarde do que com 2 negativos de manhã. Na verdade a grande diferença é que com 4 graus eu corro de shorts e com 2 negativos é complicado, e eu odeio correr com aquelas calça... E aí estava lá procurando um percurso no mapa, um percurso para um longo. Descobri que podia pegar a trilha normal e depois da Mount Pleasant eu podia sair da trilha e pegar umas ruas quebradas que tem por alí indo sair na Bayview, atravessar ela e haveria uma trilha do outro lado me experando, uma trilha inexplorada.

Eu fui, mas era uma trilha de bike, estreita e cheia de lama. A neve acabou de derreter por isso a terra está muito molhada em todo lugar. Em alguns lugares da trilha eu tive que literalmente enfiar o pé na lama. Bom, mas o negócio é que segundo o mapa eu seguiria pela trilha e sairia em algum lugar de uma outra trilha que eu já conheço. Santo mapa. Sei lá onde fui sair. Sei que quando saí já nem sabia mais onde era o norte e o sul pois eu tinha feito tantas curvas no meio do mato. Pelo sol descobri que tava indo para Leste quando pensava estar indo para Oeste, eu estava realmente perdido. Mas ok, voltei para leste, peguei a estrada para o outro lado, e sai no estacionamento de uma loja estranha do Loblaws. Minha nossa, era uma loja no meio do mato que ficava depois de um enorme morro na trilha (eu tive que andar). O Loblaws é um hipermercado enorme que tem várias lojas por aqui. E com um estacionamento enorme. Eu parei e esperei um carro sair do estacionamento pois eu não sabia onde era a saída. Ok, segui o carro e saí numa rua que eu conhecia...

Pronto, agora podia ir para onde quisesse... mas eu já me sentia um pouco cansado. Acabei correndo até a estação Pape do metrô e andei duas estações para dar uma esfriada. Na verdade esfriou muito e eu entrei correndo no metrô. O treino deu por volta de 1h, acho que deu uns 12 Km. Não sei, foi meio estranho, eu queria ter corrido mais. Na verdade talvez eu tenha exagerado na semana passada pois eu vim de um longo inverno correndo 5Km por dia e derrepente resolvi correr 15, 16 Km, dias seguidos. Mas eu precisava dar um jeito de me preparar para a Around the Bay. Amanhã devo fazer um percurso antigo de 13Km e tirar umas fotos. E se eu tiver bem quem sabe eu alongue ele um pouco, mas pouco provável...

quarta-feira, 18 de março de 2009

Momentos

E eu me pego na velha rotina que deixei para trás em Outubro/ Novembro do ano passado quando o tempo começou esfriar e eu comecei a ir a pé para o trabalho. Hora de descer da bicicleta, o semáforo fechado, os carros parados. O sujeito passa com o carro meio perto de mim para poder ficar na frente e ser o primeiro a sair quando o sinal abrir. Olho fazendo pouco caso da pressa que não tenho. Desço, subo na calçada e caminho entre os pedestres empurrando minha bike até a faixa, onde aperto o botão para que o sinal abra logo e eu possa passar para o outro lado da Saint Clair. O vento é um pocuo frio, mas eu penso como é bom poder pedalar com uma simples blusa, sem aquela jaqueta enorme. Lembro que a lanterna da bike está acesa, e apago ela. Nunca troquei as pilhas, bem que o Trevor tinha falado que durava bastante. O sinal abre e eu me certifico que ele abriu mesmo antes de passar, mas me certifico logo porque também vejo um corro me esperando. Do outro lado da Saint Clair já estou quase em casa. Desço pela rampa da garagem do prédio, tiro as luvas, enfio a chave na fechadura que abre o portão do prédio e empurro minha bike para dentro da garagem. Alí está quentinho e não vejo ninguem, apenas alguns carros. Mais um dia que consegui sair cedo do trabalho. Sigo para estacionamento de bike onde tenho o meu lugar reservado. É que um dos ferros que seguram as bikes está quebrado e ninguém coloca a bike alí, mas eu achei um jeito de amarrar a bike com a própria trava tal que ela fica pendurada lá na boa. Isso quebra um galho pois há muita falta de lugares para bikes no prédio, as bikes estão espalhadas pela garagem amarradas em tudo quanto é cano. Jogo as luvas no chão, abro o ziper da blusa que estou com calor, pego as chaves do bolso para abrir a trava e troco os óculos escuros pelo normal. Sim, ainda chego em casa com sol. Encosto a bike, seguro com a perna enquanto prendo ela com a própria trava. Mais um dia, olho para ela, eita, mais um dia. Amanhã vai fazer frio talvez ela descanse enquanto eu caminho para o trabalho...

terça-feira, 17 de março de 2009

E falando em liberdade...

Estava conversando com o Rodolfo, que tinha me perguntado se eu tenho gostado de morar aqui. Disse a ele que aqui temos liberdade e me lembrei que li no jornal que o número de arrastões em edifícios de São Paulo já alcançou neste ano o que foi no ano passado inteiro. Então disse a ele que aqui as pessoas ficam incrédulas quando falo que no Brasil tem essas coisas. As pessoas aqui não sabem o que é sequestro. Mas o Brasil vai cada vez mais para o fundo do poço. Mas disse a ele também que tenho amigos Etíopes e Indianos, que são paises tão pobres ou mais do que o nosso. Amigos que vieram de lá. Mas eles também ficam aterrorizados quando falo que no Brasil tem sequestro. Temos um país maravilhoso mas estou chegando a conclusão que pouca gente bate no Brasil em criminalidade e violência. Eu gostaria de acreditar que um dia vai ser diferente, mas nada aponta para isso. A gente vive sem liberdade, vive controlado e sob regras, vive com medo e sob equipamentos de segurança. No Brasil vivemos presos e restritos nos nossos movimentos todos os dias. Não precisaria ser assim, pois temos um povo e uma cultura que é ao mesmo tempo muito melhor do que em qualquer lugar. Vamos tentar não deixar a esperança morrer...

Bike

Pois é, tirei a poeira da bike e voltei a pedalar para o trabalho. A temperatura de manhã ainda está por volta dos zero graus, mas não tem mais neve e tem esquentado bem a tarde. Estava com bastante saudades de pedalar e tem sido muito gostoso sentir o vento no rosto novamente, ainda que um pouco frio. Sensação de liberdade. Uma pena que em São Paulo seja tão difícil pedalar nas ruas, eu lembro que eu tinha a minha bike que nunca usava. Aqui tem sido bem diferente...

Correndo contra o tempo

Hoje o dia estava sensacional e eu saí do trabalho um pouco mais cedo, fui correr! Pois é, não podia perder a oportunidade. Desci até o lago pela trilha que margeia o rio e nossa, fazia tempo que eu não corria lá! Me sentia bem, estava rápido, resolvi voltar até em casa correndo. No total deu cerca de 18Km em 1h30m. Fiquei satisfeito de ter conseguido fazer 3 treinos relativamente longo um perto do outro. Talvez isso ajude na corrida do final do mês, quem sabe, serão 30 Km...mas agora parece mesmo que eu vou é sofrer um pouco para continuar correndo depois dos 20Km. Não tenho muita certeza do que fazer agora em termos de treino, talvez eu tenha que descansar um pouco, mas não esotu afim, se der na telha eu vou tentar treinos longos até no domingo ou segunda, depois eu descanso e vamos ver o que acontece...

Me desculpem pessoal....

Sempre que eu ia escrever um novo post aqui no Blog euolhava no painel se tinha aviso de algum comentario novo. Ultimamente porem, eu tinha notado que ninguem estava mais colocando comentário no blog. Achei estranho, mas somente hoje que eu descobri que na verdade eu é que não estava mais sendo notificado dos comentários. Desde do post do dia 10 de Dezembro, quando eu disse a Mayumi que ia desativar a verificação de palavras, que eu mexi em algo mais e desativei o aviso de comentarios sem querer, e não tenho lido os comentários no blog. Hoje percebi feliz e sem jeito que muita gente passou por aqui e eu nunca respondi às suas sempre carinhosas e bemvindas mensagens. Este post é para tentar me retratar e responder em parte a estas mensagens.

Mayumi - Notei que você tem sempre deixado sua mensagem aqui, muitíssimo obrigado! Eu não respondi sua pergunta sobre calçado para inverno, sorry! Não sei se eu seria de alguma ajuda também... No meu caso eu nunca comprei nenhum calçado específico para inverno, portanto nem os conheço direito. Mas não sei, acho que os do Brasil não devem ser muito apropriados. Um problema aqu que não temos no Brasil é que eles jogam sal para derreter a neve e com isso derretem os sapatos também! Digo, o sal estraga alguns tipos de calçados, principalmente os brasileiros que não precisam se preocupar com sal. Eu não sei porem se os Timberland são resistente ao sal. Os tenis de corrida são. Quanto a impermeabilidade, também é importante, mas eu nunca me preocupei com isso também. Aqui o que acontece é que a neve derrete e forma umas "lagoas" de água na beirada da calçada, estancada pela própria neve, e algumas vezes não tem jeito, vc tem que pisar lá dentro. Pra mim esse é o principal momento onde o calçado impermeável é importante. Se vc for ficar muito tempo lá fora, na neve (coisa que eu não faço), então também vai ser importante usar algo impermeável, quente. Eu, pra ser sincero, não me preocuparia com isso, viria e compraria algo somente se precisasse, mas se vc (ou seu marido) tiver algo que pareça apropriado (como esse Timberland waterproof), então acho que compensa trazer e talvez evitar gastar aqui com algo que talvez vcs não usem mais. No entanto os calçados daqui, assim como blusas, geralmente são bem mais adequados. Vc está vendo que eu não sou a pessoa certa para dar dicas sobre calçados né... Bom, acho que as dicas vem tarde de mais, mas de qualquer forma....

Ainda, parabens pela participação na corrida de abertura da Corpore, deve realmente ter sido legal, fiquei com saudades das corridas em São Paulo!

Sally - Oi Sally! Saudades! Sim, eu compartilho sua opinião sobre os heróis da ditadura, que nos permitem viver num mundo melhor hoje. Felizmente não pegamos esse tempo, eu pelo menos, não lembramos. Ultimamente eu tenho achado interessante esses materias sobre a história de outros países como a Argentina, que passaram por esses momentos negros. Depois daquele filme eu assisti outro "The death and the maiden", muito bom sobre a ditadura argentina também. Se vc sabe de DVDs sobre o período no Brasil, me passa o nome sim, eu vou procurar!

Hideaki - Legal, você vai gostar de Roma, eu gostei bastante. Obrigado pelas visitas, e saiba que eu comprei um chocolate 99% cacau para você e entreguei para a Lika levar para o Brasil, mas não sei se vai rolar de ela te encontrar. Não sei se talvez ela também já não comeu o chocolate...rs. Bom, mas quando eu voltar ao Brasil eu levo de verdade e a gente marca um encontro ok. Parabéns por tantos desafios vencidos cara!

Paulo - Cara, eu vou na biblioteca para ler livro e também pegar livro para ler em casa. Eu fiz um cartão da biblioteca, o que é muito fácil e conveniente, e agora pego facilmente livros para ler em casa por um mes. Na verdade não tenho ido tanto ultimamnete, precisava ficar menos na internet e ir mais na biblioteca para ler livros... E aí cara, não vamos correr as 24h?

Quero agradecer tambem aos amigos Danilo, Jorge, Ms Harkins, Nuno, Everton e meu irmao pelo comentarios e visitas! E a todos os demais que passam por aqui! Felicidades e obrigado!!

Visitas

Logo depois da visita da Lika no Carnaval eu recebo a visita do Rodolfo, que ainda está por aqui. Ele vem em escala para a sua maratona em Tóquio. Grande Rodolfo. Nos encontramos e jantamos juntos, conversamos, falamos sobre muita coisa, foi muito agradável. Ganhei uma caneca de porcelana com a bandeira do saudoso Brasil.

Estes momentos são bons para mim, são momentos que trazem a lembrança de tantas coisas que estão agora longe, longe no tempo e no espaço. Me fazem esquecer por um momento que estou num lugar longe, diferente, tudo fica mais familiar. Chega a ser estranho falar português numa mesa de jantar, mas é gostoso ouvir o som da nossa língua, é gostoso estar com pessoas que entendem a nossa língua. Mas o Rodolfo não é especial só por ser brasileiro, ele é especial por ser o Rodolfo, ele e sua esposa, por serem pessoas que respeito e admiro. Eu fico feliz que estiveram aqui, fico feliz que tenham me dado o prazer destes momentos.

O Rodolfo teve sorte de pegar o nosso dia mais quente do ano, com sei lá, 10 graus. Estava um dia maravilhoso no domingo e mesmo ontem, segunda. Espero que eles tenham se divertido! Boa prova cara!

Melhor a tarde

Neste domingo foi diferente. Acordei, termômetro marcando dois negativos, previsão para 10 positivos a tarde. Eu não resisti, não ia correr sub zero para depois ficar dentro de casa no solzão da tarde. Resolvi correr a tarde e penso em talvez mudar os treinos para tarde, se assim for melhor para a maratona.

O caso é que naquela tarde o treino foi bom. Eu saí de casa de shorts, blusa, 9 graus. Eu saí de casa como a tempos não fazia, saí como saía nos dias frios do Brasil. E senti a liberdade de não correr de calça, de correr com a blusa leve.

Peguei a trilha como a muito tempo não fazia, trilha úmida de neve derretida, trilha ainda com neve em uns poucos pedaços, neve derretendo. Eu segui, leve, solto e num ritmo gostoso. Saí da trilha, denovo nas ruas da cidade, uns contornos e estou na Shelborne. Passo em frente o hotel onde o Rodolfo está hospedado para me certificar que sei onde é, sigo, entro na Isabela até a Church e paro no restaurante Indiano. Fechado. É um restaurante que eu gosto, queeu planejava levar o Rodolfo que faz escala em Toronto rumo a sua n-ésima maratona, em Tóquio. Ok, eu não vou ficar procurando restaurante, depois vamos ter que achar um, sei lá. Eu sigo, entro por uma ruazinha perto do trabalho, saio na Yonge, atravesso e pego uma ruazinha do outro lado para sair das calçadas cheias de gente. Resolvo ir para Oeste, de encontro ao sol que bate no meu rosto, de encontro ao vento que já não é vento de inverno, é brisa gostosa. Vou até a Bathurst, subo, cruzo a Bloor e entro a esquerda na Dupont. Segue-se um vai e volta que me trás para a ciclovia que pego para ir para casa do trabalho. Enfrento a subida que tem lá, dessa vez correndo, nao pedalando. Subo até a Sait Clair e paro na Avenue, estou feliz, treino de 1h15, c0om bom ritmo, deve ter chegado perto dos 15Km. Isso depois do treino sofrido de 17 do dia anterior. Definitivamente nada como o calor, nada como o sol e correr de shorts. Que venham os dias mais quentes.

sábado, 14 de março de 2009

Longos

No final de Março, que está cada vez mais perto, eu tenho a minha corrida de 30 Km, a Around the Bay. Agora o treino de hoje me deixou meio desanimado quanto ao resultado que vou conseguir lá. Ano passado eu não consegui um bom resultado e este ano, apesar de ter tentado não parar no inverno, parece que não só não vai ser diferente como também vai ser difícil não fazer um tempo pior.

Hoje o treino era para ser longo. Não foi só culpa minha, acredito, foi culpa também do frio. Estava 6 graus negativos e eu esperava ter em Março alguns dias mais quentes para poder treinar mais avontade. Estou meio convencido de que usar roupa de frio faz cair significativamente o rendimento. Talvez é psicológico, talvez é porque eu não gosto de usar roupas de frio para correr, eu gosto de correr com pouca roupa. Mas a roupa de frio é, na minha opinião, apenas uma parte doq ue faz o desempenho cair. A outra eu acho que é próprio frio. Eu noto que parece ser mais difícil respirar. Noto que nos dias de frio eu nunca estou rápido. Não sei. Mas lá fui eu hoje, todo agasalhado.

Fui até a Bathurst, subi para a Eglinton e nela até a Duferin. Queira fazer umpercurso que fiz no final do ano passado, daquela vez com a temperatura ainda muito boa, até a estação Downsview do metrô, que é a última estação ao norte do lado Oeste. A intenção era não parar lá, era voltar pela Sheppard até a Yonge e tendo perna até em casa. Santa ambição. Não deu, eu cheguei na estação Downsview com 1h30m de treino, não deve ter sido mais do que 17 Km. Bom, esse tempo inclui vários semáforos... Mas enfim, eu cheguei lá cansado, naõ deu para ver a estação do metrô e passar por ela correndo. Eu parei. resolvi pegar o trem e ir para casa. Estava sem pernas, o corpo não tá acostumado mais a correr essas distâncias.

Não tem jeito, a Around the Bay tem sempre esse desafio a mais, esse desafio de ter que correr os 30 Km logo depois do inverno, senão ainda nele. Você tem que dar um jeito de treinar no inverno, tem que dar um jeito de não ficar esperando a temperatura subir, porque quando ela subir será tarde demais. No meu caso eu não parei no inverno, mas reduzi dramaticamente a distância dos treinos, e a frequencia também. Por isso acho que terminar a Around the Bay não é problema, mas eu sempre quero fazer melhor que o ano anterior, isso é problema...

Bom, duas semanas, não há muito a se fazer. Estou afim de tentar outro 17Km amanhã, quem sabe. Precisaria achar um percurso novo. E quem sabe mais outro 17 Km no meio da semana com 20Km no sábado que vem. Sempre tomando cuidado para não forçar demais senão vai ser pior... A temperatura promete estar melhor nesta próxima semana, quem sabe também eu devesse começar a treinar a tarde, já que agora entramos no horário de veraão. A tarde é geralmente mais quente que de manhã, as vezes muito mais quente...

quarta-feira, 11 de março de 2009

Só se fala em Primavera

A temperatura está subindo visivelmente. Embora hoje tenha feito dois negativos e a previsão é que amanhã possa chegar a 10 negativos, no geral a temperatura tem ficado bastante acima de zero graus. Diferente do ano passado a neve praticamente acabou e tem chovido bastante. E todo mundo falando na primavera. Então que venha a primavera e o calor. Já estamos cansados do inverno, do frio que fica abaixo de zero desde novembro. Os dias estão ficando longo e eu acabo me animando bastante para planejar os treinos. Ansioso para ficar em forma novamente...

domingo, 8 de março de 2009

Novos percursos

Depois que comecou a nevar uma das coisas que ficaram monotonas foram os loops dos treinos. Como os treinos se tornaram mias cursos eles poucos mudavam e dificilmente saia da vizinhança, que eu já conheço bem. Hoje fiz um loop diferente, pretendendo também fazer um longo depois de muito tempo. Fui pela Saint Clair, passando pela Bathurst até a Duferin. E fazia tanto tempo que não ia até ali na Duferin (4Km) que eu até tive que perguntar para um sujeito lá se aquela era a Duferin mesmo. E subi até a Wilson, pegando ela para Leste. E passei por lugares que a tempos não passava. Não são lugares bonitos, digo, são ruas, mas pela menos são lugares diferentes.

Não consegui rodar o quanto eu queria (uma meia maratona), pois eu já me sentia cansado e decidi que era melhor pegar o busão de volta pra casa. Já tinha ido 1h24 e, pensando bem, faz tempo que eu não corro todo esse tempo. Ontem foram 12Km, também acima da média. Então melhor ir devagar e eu parei. O tempo estava gostoso, havia chovido muito ontem e tudo estava molhado. Em alguns lugares havia gelo bem fino no chão, pois a temperatura estava em torno dos zero graus.

Foi bom, vamos ver se consigo treinar suficiente para a Around the Bay, que é o objetivo agora...

sábado, 7 de março de 2009

Expectativas

Ontem a temperatura chegou a 12 graus. Foi muito bom, eu fui para o trabalho de bicicleta pela primeira vez desde o começo do inverno. E a previsão é que a temperatura não esfrie muito nesta próxima semana. Não deve ficar nos 12 graus, mas também não deve cair para os 10 negativos. Os dias também estão ficando longos e hoje começa o horário de verão aqui, que eles chamam de Daylight saving time. As expectativas são grandes para a primavera e a vida voltar a cidade.

E eu estou no limite do meu tempo para treinar para as provas que me inscrevi. Preciso focar na Around the Bay no final do mês e fazer uns longos, e depois tem a maratona em Maio. Acho que com frio ou sem frio eu devo dar um jeito de fazer estes longos, ainda que eu não treine com muita frequencia. Hoje acordei cedo, temperatura de 1 grau, o que é maravilhoso perto das temperaturas negativas que temos tido. E fui correr com a idéia de fazer um longo. Fui para o Norte e quendo atravessei a Shepard, o sol nascendo, fui trocar os óculos normais pelos escuros. O escuro caiu no chão e quebrou. Eu não tive alternativa senão voltar para a estação do metrô e terminar o treino, pois já estava difícil para eu correr com a luz do sol. Ainda ssim deu uns 12 Km. Talvez seja melhor, hoje pode ter sido o aquecimento para amanhã, quem sabe um longo amanhã. Se não estiver chovendo, pois chuva é o que está na previsão do tempo ...

domingo, 1 de março de 2009

Update nas corridas



Opa, quanto tempo! Bom, carnaval no Brasil, a Lika veio para cá e eu nem lembrei do blog, of course! E nem dos treinos! Bom, a verdade é que não corri nada por praticamente uma semana, um pouco pelo frio e muito pela visita... Mas tentei voltar nesta quinta feira com uma corrida até o predio onde trabalho, ida e volta, 5 Km. Fora a falta de preparo eu tinha comido antes e esse treino foi meio sofrível por isso.

Na sexta a temperatura subiu, tava 9 graus de manhã e, óbvio, lá fui eu. Mas... não tava bem, tava devagar. No final do treino de 8 Km estava sentindo razoavelmente as costas, ou seja, o treino não tinha sido bom em nenhum sentido a nao ser o de eu ter corrido com tempo chuvoso, com temperatura agradável de 9 graus, de shorts.

Na própria sexta a temperatura caiu para 5 negativos a tarde e para 15 negativos no sábado de manhã, que foi ontem. Obviamente fiquei quieto embaixo dos meus cobertores, afinal não ia encarar 15 negativos, ainda mais que eu estava querendo me recuperar das costas. E ontem também estive com o nariz escorrendo muito por causa de uma gripe razoavelmente forte para os padroes que costumo ter de gripe. Nada que me deixasse de cama, mas... as coisas se explicaram um pouco. Na terça eu me sentia mal, quarta eu passei o dia todo com dor de cabeça, quinta e sexta lento na corrida, sábado gripe... eu acho que na verdade desde terça feira é a mesma gripe.

Hoje ainda não estou bom, mas fui correr pois lembrei da sequencia de fotos. Tava 12 negativos, mas eu queria ir, eu não posso ficar o dia inteiro dentro de casa só porque está frio lá fora. Eu peguei a câmera e fui. As fotos estão aqui. Grande parte da neve que caiu até Janeiro derreteu em duas ocasiões em Fevereiro que a temperatura subiu para perto dos 10 graus positivos. E em Fevereiro não nevou muito para repor a neve derretida, então... com essa subida da temperatura na sexta passada ficamos com muito menos neve. Isso dá para ver nas fotos do albums. Essas aqui no blog mostram dois pontos do meu percurso. Na primeira, a entrada da trilha Belt Line. Note que o que tem no chão é gelo. Quando eu cheguei lá dois sujeitos tinham entrado na trilha para correr, depois de 100 metros eles voltaram pois não dava para correr com segurança, era puro gelo. A segunda foto é outro ponto na trilha que quis colocar para comparar com a terceira foto, o mesmo ponto no final de Janeiro, antes das duas subidas na temperatura. Realmente tinhamos muito mais neve, agora está quase toda derretida...

E estamos em Março, que venha a primavera, as folhas, os pássaros e a temperatura alta!