domingo, 25 de julho de 2010

Molhados...

Aqui, assim cmoo no Brasil, existem os mercados mais caros e os mais baratos. Para o meu azar eu moro perto de um que é meio caro, então ás vezes, quando eu tenho mais coisas para comprar eu considero pegar a bike e rodar até o No Frills, supermercado onde tudo é mais barato. Mas ele fica a 4 Km de casa, não dá para ir lá comprar as coisas e carregar tudo de volta para casa a não ser que você arrume um meio de transporte, o meu é a bike.

Eu então chamei a Lika para ir lá, ela de bike, eu correndo. Mas eis que começou a chover. Uma coisa boa do verão é que não importa muito se tá chovendo ou não né, desde que você não tenha que ir para uma entrevista de emprego de bicicleta... Resolvemos ir na chuva que ficou forte, fraca, forte, moral da estória, chegamos lá completamente molhados, como se tivéssemos pulado na piscina com roupa e tudo, mas estávamos conversando e tal e nem prestamos muito atenção na chuva!

Fizemos as compras e tal e voltamos e a chuva continuava... Eu lembrava que em breve a temperatura cairia e tudo o que vamos querer evitar é se molhar na chuva, mas agora com esse calor, faz pouca diferença...

domingo, 18 de julho de 2010

Treino de Sábado



Neste sábado eu combinei um treino com o celega Sérgio, um corredor carioca que está morando em Toronto e que eu conheci aqui.

Rodei uns 5 Km até chegar na pista de atletismo que tem perto de onde ele more, que foi onde a gente combinou de se encontrar.

Começamos rodando na pista e eu comecei a forçar o ritmo para dar chapéu no resto da galera que tava rodando na pista, mas quando eu estava começando a me divertir o Sérgio me puxou para fora da pista, para treinarmos no percurso que ele demarcou na grama, de 2 Km.

Nas duas primeiras voltas eu tava bem, mas aí o cansaço começou a bater, eu só sei que na última volta eu já tava detonado e o Sérgio tava começando apenas começando a suar.

Foi um trieno diferente, num lugar diferente, muita árvore, muita grama, sombra e até bebedouros para não precisar carregar água. Foi legal. Aí duas das fotos que tiramos!

sábado, 17 de julho de 2010

Not From the Onion

Existe uma expressão em inglês "Not from the Onion" ou "From the Onion" que significa uma notícial falsa. Por exemplo, eu estou descrevendo uma notícia ou fato meio fora do comum para um amigo e ele mostra um ar de quem não tá acreditando. Então eu digo "this is not from the onion", querendo dizer que não é mentira, que é uma estória real.

A expressão existe por causa desse site que dissemina notícias não verdadeiras, o que acaba fazendo com que o site seja engraçado, é um site de sátiras. Mas acho que o site ficou um pouco famoso e a expressão pegou. Eu não conhecia a expressão e na verdade acho que ela nem é muito usada, não sei se é muito conhecida dos Americanos e Canadenses.

Eu lembrei que talvez temos uma expressão equivalente em Português - "estória de pescador". Acho que a nossa é mais engraçada e criativa...

Momentos

Depois do treino eu peguei o busão para voltar para casa. Entrou no ônibus essa garota de fisionomia asiática, com uma dessas novidades eletrôncias na mão, um aparelho grande, provavelmente um Ipad. Não havia banco vazio, ela ficou ali em pé, e começou a teclar no negócio. O ônibus virava e ela se segurava para não cair, mas sem parar de olhar para o negócio e teclar com certa dificuldade, tentando se equilibrar ao mesmo tempo. Alheia ao mundo externo ela se contorcia em posições estranhas, escorando na parede do ônibus, segurando nas barras com o mesmo braço que segurava o aparelho para poder ficar em posição que a permitisse também escrever no aparelho. Eu, molhado da transpiração do treino, ainda meio cansado, achava a situação um pouco cômica ao mesmo tempo que imaginava como a nossa vida social agora pode ser levada em qualquer lugar, mesmo no desconforto de um ônibus lotado.

As corridas

O mês tem sido legal, tenho corrido bem mais que no mês passado. Hoje cheguei no 149 Km em Julho, o que dá uma média de quase 9Km por dia. Tenho estado lento no entanto e as vezes penso que é por causa do calor. Mesmo de manhã, antes do sol sair, já está muito calor e eu perco muita água correndo, só que não gosto de carregar água. É impressionante que ano passado praticamente não tivemos dias quentes e este ano está um forno. Vamos ver, o importante é qe eu estou mantendo o pique...

terça-feira, 13 de julho de 2010

Documentário muito bom

Eu assisti esse documentário que parece ter sido um dos primeiros da história, ainda do tempo em que não tinha som. O documentário mostra a vida de uma família de Inuits. Há cenas impressionantes de como eles caçam focas, leões marinhos, peixes. Mostram eles construindo um iglu., e inclusive colocando um "tijolo transparente", que é um bloco de gelo, o que eu achei muito legal! Eu já vi outros documentários relacionados mas esse acho que é o que mostra mais a realidade, que é realmente impressionante.

Que tamanho de rodoviária

Hoe esperando o busão para ir para Niágara Falls, eu tava comparando o Terminal Rodoviário de Toronto como de São Paulo. Na verdade não tem nem como comparar. O terminal Rodoviário de Toronto é mais ou menos do tamanho de um terminal rodoviário de uma cidade de 50 a 100 mil habitantes, muito pequeno. Que diferença, lembrei do Tietê em São Paulo que é monstruoso, mas ainda assim é só um dos vários, Tem um na Barra Funda, outro no Jabaquara e não sei se ainda tem um no Brás. Todos maiores, e muito maiores que o de Toronto.

O Canadá não só tem menos gente, mas todo mundo tem carro. QUem não tem aluga carro. E aqui tem trem também, cois auqe foi aposentada no Brasil. Enfim, ninguem quer saber de ônibus...

Enfim Residente Permanente

Há umas duas semanas eu havia recebido o meu visto de imigrante e precisava providênciar o cartão de Permanent Resident no Canadá. A forma maims rápida para fazer isso é entrar no país novamente após conseguir o visto de imigrante. Eu então peguei o busão até Niagara Falls, e caminhai até a Rainbow Bridge. Lá você pode passar andando para os States. Tem uma alfândega do lado Canadense e outra do lado Americano. Se você passar pela Canadense, depois voltar, eles vão pedir todos os seus documentos e tal, como se você estivesse vindo dos US, mas você não precisa entrar nos US. Foi o que fiz, apenas atravesse a alfândega, fui até o meio da ponte, contemplei as Cataratas do Niagara, que aliás são muito bonitas de cima da ponte, e depois voltei, não fui da lodo dos US. Na volta a galera pediu o que eu queria fazer no Canadá, endereço, quanto tempo ia ficar, aquelas coisas, como se eu estivesse vindo do Brasil. Mas eu abri o jogo pro sujeito, disse a ele que só queria minha residência permanente, naõ tinha sequer ido aos US. E foi muito rápido, eles fizeram todos os papéis lá e disseram que vão enviar meu cartão de Permanent Resident pelo correio. Enquanto isso eu tenho uns papéis provisórios...

Enfim livre, agora posso fazer o que quiser no Canadá, mas o futuro não está bem decidido, ainda não sei quanto tempo vou ficar por aqui...

sábado, 10 de julho de 2010

Ainda correndo

Eu não tenho colocado muitos posts sobre os treinos aqui, mas tenho tentado manter a regularidade nas corridinhas matinais. Mês passado os Kms cairam absurdamente, acho que um pouco foi devido ao grande esforço para chegar nos 300 mensais no mês anterior, e outro pouco foi preguiça mesmo, digo, resolvi dar um tempo e correr menos. Terminei rodando 99Km no mês, 3Km por dia, a menor média desde janeiro, mas ainda bom, digo melhor do que ficar parado...

Julho começou mais agitado e eu já tenho quase 90Km de novo. Mas começou quente também. E passado os primeiros dias do mês, eu comecei a ter certa dificuldade para correr, pernas cansadas, sei lá, eu pensei que pudesse ser o calor afinal mesmo de manhá a temperatura tem estado acima dos 25 graus, com alta umidade. Fisiologicamente isso é bem diferente eu imagino pois a gente transpira muito mais, o ar quente é terrível...

Ontem saí pouco depois das 5 da manhã como sempre, e agora eu comecei a correr com o ipod, ouvindo radio, e estava escutando a previsão do tempo falando que já estava chovendo no Norte da cidade, que o dia inteiro seria chuvoso. Muito bom, exceto que ali correndo eu olhava para o céu e não parecia que ia chover. Mas logo depois começou a chover, e por isso que eu não sou o sujeito do tempo. E a chuva engrossou mais e mais. E eu corri na chuva como a muito não fazia, uma chuva com calor, chuva gostosa. Cheguei em casa totalmente ensopado e alegre, tanto que resolvi ir para o trabalho de bike. Cheguei lá também totalmente molhado, mas eu tinha levado a roupa de trabalho na minha mala de bike, assim como um par de tenis e tal, ou seja, cheguei lá, tomei um banho e fui pro trampo.

Hoje tenho outro treino marcado com o Sérgio, um sujeito que chegou até aqui no blog pela Mayumi. Esse é corredor de verdade, daqueles rápidos que a gente admira. EU conversei um pouco com ele mas ainda não o encontrei pessoalmente e já me surpreendi como a paixão com que ele conversa sobre corrida... eu já avisei a ele que corrida para mim é outra coisa, ele vai ter que tirar o pé do acelerador se quiser correr comigo... Vai ser legal... e continuamos correndo...

Night bem escura

Eu estou terminando de ler o livro Night, de Elie Wiesel. O livro fala da experiência do autor nos campos de extermínios da Alemanha Nazista. É surreal e sinistro, nos dias de hoje a gente não consegue ter nem idéia do que é passar por esses sofrimentos. Imaginos que existam muitos livros que descrevem tal experiência (e filmes), mas este é o primeiro que resolvi ler e achei interessante, o livro é curto, rápido para ler.

Entre Espanha e Holanda

Depois que a Holanda ganhou do Brasil eu passei a torcer para ela. Não sei, acho que pela história que eles tem, eles talvez mereçam uma copa, mesmo tendo dúvidas se eles são os melhores desta copa. Mas enfim, em copa do mundo nem sempre o melhor vence né, dado essas partidas mata-mata onde frequentemente vemos coisas sendo decididas nos pênaltis ou na sorte de poucos lances.

Mas agora com a final contra a Espanha eu não sei bem pra quem torcer, estou me simpatizando com a Espanha e achando que qualquer um que ganhe tá de bom tamanho...

Ufa, que calor

Eu nunca pensei que fosse passar tanto calor em Toronto. A temperatura subiu para a casa dos 30 graus e não quer descer mais. E o apartamento onde moro é muito quente, com aquelas janelas pequenas que mal abrem, boas para segurar o calor dentro no inverno. E também no verão.

No Brasil eu jamais usei ventilador ou ar condicionado em casa, mesmo nos dias quentes dava para se virar. Mas agora qui eu já saquei o ventilador. Um perto do computador e eutro perto da cama para dormir. O ap ficou tão quente que simplesmente não dá para ficar sem o ventilador. O meu ap é antigo e não tem ar condicionado central, como os aps mais modernos. Apesar de eu ter ganhado um ar-condicionado (assim como os dois ventiladores), eu não achei um jeito de instalar ele, pois ele é meio grande para a janela do ap. Mas enfim, estou me virando bem com os ventiladores...

Estou rezando para que a temperatura volte a cair um pouco, mas acabei de olhar a previsão do tempo e ela parece que vai continuar chegando nos 30 graus pela próxima semana...

segunda-feira, 5 de julho de 2010

Novo Blog

Há tempos que eu penso em ter um blog mais voltado para coisas que eu vejo no meu mundo mais técnico, principalmente sobre estatísitica. Então há pouco tempo li que ter um blog pode ser uma boa coisa para seu currículo. Achei que faz todo sentido, um simples blog pode dar muita vantagem a você numa disputa por uma vaga. Um blog diz muito sobre você, o que você faz, emque se interessa, o seu nível de conhecimento. Talvez vai chegar um tempo onde você vai colocar os eu blog no seu currículo, vão inclusive pedir para você colocar. E quem não tiver vai estar em desvantagem. Pode ser injusto pois nem todos gostam de escrever e isso não temnada a ver com a competencia do sujeito. Mas um empregador pode se sentir muito mais seguro contratando alguém depois de ter a riqueza de informação sobre o indivíduo que um blog dá do que contratando alguém igualmente qualificado, mas do qual se tem muito menos informação.

Eu vi isso como um ponto interessante e válido. Não se trata muito de concordar ou discordar, mas de que essas coisas podem virar realidade a temos que nos adaptar a elas.

Aí vem o outro lado da moeda. Eu sempre considerei trabalhar com estatística aplicada a biologia (sei lá, pode ser agronomia, medicina, desenvolvimento de medicamentos, ecologia...). Acho que a estatistica nessas áreas é mais interessante, mais estatistica. É simplesmente um desejo de explorar o mundo da estatística, de conhecer outras áreas, uma sede de conhecimento. Mas suponha que eu quisesse procurar um emprego nessa área, como ia conseguir se não tenho nenhuma experiência? Não tem nada que eu possa colocar no meu CV que indique que eu daria conta do recado na indústria farmaceutica, por exemplo. Como vou conseguir entrar lá então?

Denovo a idéia do blog me pareceu fazer sentido. Um possível empregador buscando um possível candidato para uma possível vaga poderia possivelmente considerar um blog como evidência do que eu sei sobre estatística, evidência que possivelmente contaria como algo senão como experiência. Minha nossa, quantas possibilidades...

Mas longe de ser somente isso, eu gosto de escrever sobre o que aprendo, independente de ser na área de biologia. Então porque não?

Esse blog não tem sido muito apropriado para expressar coisas mais técnicas. Ele é um blog mais pessoal, relacionado aos amigos, à experiências novas em um país novo, à pensamentos que estão longe do meu ambiente de trabalho, de minha formação acadêmica. Eu andei escrevendo coisas sobre estatísitica aqui, mas acabam ficando perdidas no meio de tantos textos informais sobre o cotidiano.

Assim resolvi criar um novo blog. Não sei quem vai ler, talvez não seja para meus amigos que não são estatísticos. É algo mais profissional mas que para mim é também lazer. Escrever é também uma forma de aprender, afinal se queremos escrever precisamos nos forçar a entender o assunto, não dá para esccrever apenas lendo superficialmente. Mas não me importa muito quem vai ler (ou se alguém vai ler) e sinceramente nem me importa muito se vai ser útil numa possível tendência de blogs fazerem parte do currículo. É apenas algo novo que gosto de fazer.

Espero que o número de posts aqui não diminua, afinal acho que tem pouca sobreposição o que escrevo aqui e o que escrevo lá. Com certeza a nova empreitada vai exigir mais de mim, mas isso é uma caracterísitica minha. Vamos ver, acredito que coisas como essas podem apenas serem boas e apenas nos fazem crescer...

domingo, 4 de julho de 2010

A Rainha do Canadá

A Rainha Elizabeth II, que é a Rainha do Canadá veio para uma visita ao País, entre os dias 28 de Junho e 6 de Julho. Hoje ela está em Toronto. A visita dela atraiu atenção de muita gente e da mídia. Em geral a população parece feliz com a visita da sua rainha, mas nem todos os comentários são positivos. Em Winnipeg, por exemplo, houve protestos relacionados a visita, onde os protestantes diziam que o meio ambiente devis ser preocupação maior do que a Rainha.

Segundo a Wikipedia, a Rainha Elizabeth II é Rainha de 16 países, incluindo Reino Unido, Canadá, Austrália, Nova Zelândia e Jamaica. Mas eu não entendo bem para que ela serve. O Canadá parece não depender dela para nada, e ela parece ser apenas uma figura de admiração, um símbolo de orgulho de uma nação, uma tradição histórica.

A monarquia é algo que há muito tempo não faz parte do Brasil e acho que por isso, aliado ao pouco papel da Rainha, faz com que eu veja com certa indiferença a sua visita...

sexta-feira, 2 de julho de 2010

E veio o silêncio

E esse foi o primeiro jogo do Brasil que assisti, por hoje ser feriado aqui. Não que eu não pudesse ter assistido os outros, eles montaram uma sala especial com um telão para a galera ver qualquer jogo que queiram. Eu prefiria fazer meu trabalho, ir para casa mais cedo, assistir o replay em casa.

Eles fazem propaganda do jogo na TV pública que comprou os direitos da transmissão, nos chamam de "Mighty Brazil". Eles se deliciam com nossas jogadas desconcertantes e tentam falar "Jogo Bonito" em português. Apesar do respeito e admiração que eles tem pelo nosso futebol, eu tenho a impressão que no Canadá havia mais torcedores da "Netherlands" do que nosso.

Eu fui para a frente da TV com uma ponta de dúvida, não havia sido convencido pela vitória contra o Chile. E a Holanda sempre coloca medo de qualquer forma. Achei que o Brasil jogava bem, achei que melhor do que contra o Chile, e melhor do que a Holanda, era o que importava. O primeiro gol me pareceu merecido, achei que foi bonito, achei que o caminho estava aberto para as semifinais e que agora a Holanda viria pra frente e levaria mais gols.

Então fizemos o favor de dar um gol para eles, aquele tipo de erro que parece só acontecer com a gente. Derrepente a situação não era boa mais, não era favorável mais, precisávamos mais um gol. Chegamos perto, Kaká mandou duas bolas colocadas que eram pra ser gol, que se fossem marcariam a história da copa. Mas foram eles quem fizeram o segundo gol, fizeram de bola parada, um gol sem sal feito ainda enquanto eu achava que a gente jogava bem, jogava melhor. E com um jogador a menos, expulsado merecidamente, fomos com ainda mais sede ao pote e eu percebi o quanto éramos melhores pelos gols que eles perderam no contra-ataque. Era como se eles só conseguissem fazer gols de bola parada, e mesmo assim levaram.

E nos meus contatos com o Brasil descobri que um silêncio estranho reinava em São Paulo. O mesmo silêncio que devia reinar no trabalho, nesse dia de feriado, com a minha bandeira do Brasil posando solitária sobre a parece do meu cubículo, colocada na tentativa de mostrar a todos quem mandava nessa Copa. Acabou a Copa para a gente e agora voltamos a ser apenas um país grande da América do Sul que fala Espanhol...

Bingo!

No trabalho sempre tem jogo de bingo, para levantar fundos para caridade. Metade da grana arrecadada vai para o ganhador e a outra metade vai para uma entidade. Eu geralmente participo, mas nunca ganhei.

Neste último bingo eu fechei duas cartelas. O jeito que funciona é que eles sorteiam 7 números de uma vez e mandam para o email de quem tá participando. Aí a gente para de trabalhar e vai conferir os números. Pois bem, depois de conferir os 7 númeors eu notei que tinha duas cartelas preenchidas! Nesse caso o que acontece é que a que preencher primeiro, considerando a ordem dos números, é a ganhadora. As minhas tinham sido preenchidas no quinto e no sétimos número, mas teve uma outra pessoa que eu nem conheço (de outra área) que me tirou o prêmio pois ela preencheu a cartela no terceiro número...

Santa falta de sorte, eu não fui feito para ganhar esses tipo de jogos...

A Copa fora do Brasil

Tem sido muito interessante acompanhar a Copa do Mundo daqui. Ach oque é o único momneto que todo mundo lembra e fala do Brasil. Eu sempre fui meio crítico de os Brasileiros pensarem tanto em Futebol ao invés de pensar em coisas que são realmente importante para o país e para as próprias pessoas, mas tenho que admitir que o futebol não é completamente inútil. Bom, estou exagerando, está longe de ser inútil, eu mesmo sempre gostei de jogar bola. Mas a imagem que o futebol dá ao Brasil é algo muito legal.

No dia do jogo do Brasil com a Costa do Marfim eu coloquei uma bandeira do Brasil no capacete e saí de bicicleta para o trabalho. Apesar de eu ir bem cedo e pela trilha, ainda assim duas pessoas se manifestaram. Uma delas, um trabalhador que arrumava a calçada, gritou "Êh Brasil!!!!". Acho que ele não era brasileiro não.

Apesar do Canadá não ser um país de jogar futebol, todo mundo aqui fica meio de olho na Copa, torcendo para seus times. Muitos gostam de Futebol, e especialmente as comunidades de imigrantes fazem muita festa. Muitos carros na rua andam com a bandeirinha de seus países. Eu já ví vários carros com bandieras do Brasil, Portugal, Argentina...

Enfim, Viva o Futebol!!!