sábado, 20 de março de 2010

Longo de surpresa e outras ponderações

Ontem, sexta feira eu acabei rodando 24KM de manhã. Foi o meu maior longo de 2010 até agora e o que impressionou até a mim mesmo foi que aconteceu na sexta feira ao invés do sábado. Eu saí para o treino, estava me sentindo bem, resolvi continuar correndo num percurso que não ia longe do metrô tal que caso eu me cansasse eu poderia voltar facilmente para casa.

No dia anterior eu havia feito um treino sofrível onde foi difícil completar os 6 Km do meu tradicional loop de inverno, que na verdade eu não tenho feito muito neste inverno dado que ele é curto e eu tô tentando correr mais para bater a galera lá no nosso duelo de Km por mês. Naquela hora, correndo lentamente e mesmo assim cansado, eu imaginei que o dia seguinte seria bom, como já tinha acontecido anteriormente. E deu certo. Aliás ficar parado um dia não parece tão bom quanto correr um pouco, e na verdade eu geralmente não corro bem depois de ficar parado. Já há tempos que eu sempre procuro correr um pouco no dia anterior, sempre que eu planejo um longo ou tem uma corrida. É tudo achômetro no entanto, apesar de ser estatístico eu não guardo um histórico dos treinos, o que seria bom para análises. Ao invés de coletar mais e mais dados, eu estou coletando cada vez menos. Enquanto a galera usa monitores de frequencia cardíaca, GPS e sei lá mais o que, eu me livrei do velho (1992) relógio nos treinos há mais de um ano (mas ele ainda funciona e eu uso ele praticamente somente quando tenho algum compromisso mais sério, para não chegar atrasado). Mas eu tenho marcado os Km há algum tempo, desde pouco tempo depois que cheguei aqui e fiquei sozinho, pois eu me desliguei das corridas e Kms/semana passou a ser o que me incentivava a correr. E acho que nunca corri tanto, só parando a rotina de treinos quase diários nos tempos de problemas nas costas e nos dias muito frios. Enfim, é interessante como as pessoas podem mudar... mas voltando ao tema, acho que se eu guardasse mais dados ou se eu lesse mais livros sobre corrida, entenderia melhor como estar bem no dia do longo (ou da corrida).

Aliás esse é outro ponto, talvez para outro texto, ler livros de corrida, ou revistas é algo que definitivamente não tem graça para mim. Recebo a Runners World todo mês (da garota que morava aqui anteriormente), o máximo que consigo fazer é foleá-la por 5 minutos, é extremamente chata (a maioria das vezes nem sequer abro a revista, eu levo para a garota, senão iria direto para o lixo - não quero dizer que seja ruim, apenas não é interessante par a mim).

Nenhum comentário: