sábado, 18 de maio de 2013

É só começar

Eu tava indeciso se ia correr hoje, acabei acordando muito cedo e me sentindo meio cansado. E ontem tinha ido para a pista num treino que começou muito devagar, e terminou melhor depois que, na volta que eu ia parar, uma corredora apareceu na pista. Eu percebi que estava mais rápido que ela e resolvi acelerar e continuar rodando até alcançá-la. Afinal corredor é sempre competidor. E se eu estivesse mais lento? Ah, provavelemnte teria parado para amarrar o tênis, esperado ela passar por mim, e assim que ela passasse daria um sprint até passar ela, terminava a volta no gás e caia fora da pista... Brincadeira, mas eita nóis, o sujeito tá morrendo e ainda quer dar chapéu nos outros.... Falando nisso eu fui ver a maratona de Toronto esses dias e quando já tinha passado muita gente, os que passavam agora pareciam lentos, estavam com certeza bem, bem, bem atrás dos lideres, eu comecei a correr com a galera. Ali já era o km 12 mais ou menos e eu já tinha corrido uns 4 km. Mas não tava fácil, eu tava tendo dificuldade de acompanhar! Não estou desmerecendo a galera, mas eu tenho estado só o pó ultimamente, comparado com o passado. Outro indicador é que eu sempre corri 10Km abaixo dos 50 minutos, mas agora tenho levado cerca de 1h.

Mas enfim, a garota na pista me fez correr 8 km ontem ao inves de 5, mas não foi fácil. Acho que tenho aumentado muito o volume, comparado com o mês passado. Hoje estava indeciso se correria ou não, tinha pensado até em pedalar, mas com 10 graus sei lá, pedalar damora um pouco até vc esquentar. Mas sábado é dia de correr, sempre foi dia de longão, então lá fui eu.

Antes de sair dei uma olhada no mapa, eu sempre faço isso para procurar novos lugares, mas tá difícil achar qualquer lugar que eu ainda não tenha corrido dentro de uma distancia que eu consiga chegar. Saí sem rumo mesmo, não gostei dos percursos que tinha planejado no mapa.

Logo no começo já me senti melhor que ontem. Resolvi seguir um percurso residencial que costumo fazer sempre, mas quando chegou a hora de atravessar uma trilha lá, eu não atravessei, peguei a trilha. Saí da trilha numa rua que nunca tinha saído, e logo acabei caindo na Bathurst, uma avenida que conheço bem. Feriadão, o Bathurst que é muito movimentada estava às moscas. Legal, resolvi subir ela, coisa que não fazia há muito tempo. Passei pela Lawrence e decidi continuar subindo, estava me sentindo mais ou menos bem. Passei pela Wilson e continuei. Nesse ponto já sabia o resto do percurso - seguiria até a Shepard, e de volta para a Yonge, e metrô - 4km. Não tem muito como sair da Bathurst depois da Wilson, a não ser que eu voltasse para lugares que eu conhecia bem, ou fosse para longe do metrô. E eu sabia que não adiantava querer correr mais do que esses 4km, eu já me sentia cansado. E assim fiz, já feliz pois sabia que tinha corrido hoje mais do que corro normalmente.

No rádio antes das 6 estavam falando de homofobia no esporte, que é um assunto interessante e na moda aqui, não sei se no Brasil também, pensaria que nem tanto. Teve uma longa entrevista com um sujeito gay que parou de jogar futebol porque tinha que esconder sua preferência sexual - isso nos anos 90, mas hoje muita coisa tem mudado. A França é o décimo quarto país a permitir casamento de pessoas de mesmo sexo. Eu não pude deixar de pensar em como as coisas mudam, na aparente contradição que existe quando essa mudança faz o passado ser "errado".


Nenhum comentário: