segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Mountain Bike






Eu estava descansando da corrida do sábado quando o Trevor me chamou para pedalar nas trilhas de mountain bike no domingo a tarde. Essa era uma coisa nova que eu nunca pensei que fosse fazer antes de vir para cá. Mas ele vai para as trilhas todo final de semana, no norte, e neste final de semana que ele ficou em Toronto, ele resolveu me chamar para explorarmos as trilhas da cidade. Ok, vamos lá, eu nem pensei muito.

A trilha começou bem, eu estava um pouco desnorteado pelo sol que se misturava com a sombra das árvores, mas logo entramos em mata mais fechada e só tinha sombra. A trilha seguia, aparecendo sempre desafios. A trilha é feita especificamente para bicicletas, com pontes, rampas, raízes e vários obstáculos. Totalmente louco. Mas muito legal.

O objetivo não é correr nem chegar primeiro, o objetivo é fazer a trilha sem descer da bike e se você está no nível mais avançado então você se diverte pulando rampas, passando sobre pontes estreitas e outros malabarismos. Eu estava simplesmente tentando ficar sobre a bike. Subidas de tirar o fôlego obrigavam a gente a colocar na marcha mais leve e pedalar, pedalar, pedalar. Mas as vezes a subida era tão íngreme que você não conseguia ficar sobre a bike.

No começo eu ia bem, nem tanto como o Trevor, mas eu tava indo, só que eu ficava exausto. Mas não parava. Alguns trechos eram planos ou descidas e eu conseguia descansar um pouco. Alguns lugares eram super difíceis e eu tinha que empurrar a bike. Outros eram de dar medo, como pontes estreitas (vejam esta da primeira e segunda fotos, estas são largas). Eu nem sempre tinha coragem de encarar. Teve um morro que era tão íngreme, em descida, que eu cortei volta. O que contava era a técnica, não a força ou velocidade, e eu não tinha nada de técnica.

Passado mais ou menos uma hora no meio da mata eu estava cansado já e descia mais frequentemente nas subidas. Eu também comecei a sentir as costas, o esforço era enorme. Numa das pontes eu acabei caindo da bike, digo, na verdade me descontrolei um pouco e ali não tem lugar para descer da bike, não tem chão para por o pé já que a ponte é bem estreita. Moral da estória, lá fui eu ribanceira a baixo. Mas ali tinha muita folha e terra macia, um pouco de barro. Eu acabei me sujando mas não me machuquei.

Depois de 3 horas de pedal estávamos de volta em casa. Eu estava bem mais exausto do que depois da corrida de 10Km. Hoje perdi a hora do trabalho...rsrs.

As fotos aí estão em ordem inversa. A primeira lá em cima é praticamente no final da trilha. Depois vem lugares no meio da trilha e na última foto eu estou esperando o Trevor na frente do prédio dele, com minha bike. Aqui estão as outras fotos, que nao ficaram muito boas. Eu também não estou nas fotos já que era eu quem estava tirando elas...

2 comentários:

Anônimo disse...

Eh marcão, a trilha é de muita técnica eh. Sou péssimo no equilíbrio. Gosto mais de trilha de resistência, com muita subida.
A trilha é linda, estou com inveja.
Sadao

Mayumi disse...

Fala, Marcos! A kitigai japonesa está de volta, a ler os seus posts! Rsrsrs.

Bela trilha! Mas, realmente, se eu fosse fazer isto de bike, precisaria de uma boa bike e muito treino (perdi toda a noção de como andar de bici! Isto porque meu pai tinha uma loja de biciceltas, que já vinha do tempo do meu avô e sempre tive uma para andar no Ibira! Rsrs. Vou continuar a leitura! Até mais!