segunda-feira, 2 de julho de 2012

Vacinar ou não vacinar

Esse é mais um dos textos que escrevo relacionado ao fracasso das pesquisas e práticas científicas aplicadas a um dos campos onde o rigor científico é dos maiores, a medicina. A idéia não é que a pesquisa é ruim, ou que não evoluimos, mas que nossa pratíca da metodologia científica e sua divulgação poderiam ser muito melhores - e eu vejo a melhor formação em estatística assim como uma mudança nos padrões de publicações científicas como uma forma de atingir esse objetivos - Basicamente interpretação correta do estatisticamente significante e uso maior de replicação, objetivo da pequisa deve ser científico e não recompensa pessoal, e a população poderia ter uma formação básica metodologia científica, mais especificamente em como interpretar coisas como "fumar aumenta X vezes o risco de cancer de pulmão", questões a serem feitas antes de tomar o achado como verdade. Estou me alongando demais nesse primeiro parágrafo...

Mas o que eu queria era rapidamente comentar este artigo que diz que crianças vacinadas em geral tem muito mais doenças do que as não vacinadas. Eu dei uma olhada, não fui muito a fundo nas fontes usadas aqui, mas parece que as pesquisas tem alguns problemas metodológicos que permitem os céticos talvez desconsiderar os achados. O artigo comenta que a mída assim como a OMS (organização mundial da saúde) tendem a ignorarem estes achados. Eu acho que ter pesquisas metodologicamente bem baseada é importante, mas com certeza é muito mais difícil e caro. E problemas na metodologia não quer dizer que devemos ignorar os resultados.

Por um lado os resultados aqui fazem sentido. Um dia um sujeito descobriu que a se eu tomar uma específica vacina eu nunca vou pegar sarampo e aparentemente essa vacina produz alguns efeitos colaterais nuns poucos indivíduos, mas no mais é inofensiva. Então vamos aplicar a vacina em todos. Mas percebe que existe uma suposição aí, algo que nunca foi realmente verificado - quais os efeitos dessa vacina outros que não os imediatamente visíveis? Ninguem nunca estudou. Por exemplo, pode ser que a esperança de vida é 10 anos menor para os vacinados. A gente faz a suposição de que se a vacina proteje contra sarampo então é algo bom e deve ser tomada. Mas essa é apenas uma suposição. Então se hoje estudos começam a ir fundo nisso e descobrem que bem, vacinas tem sim efeitos, e não são assim poucos, eu não fico surpreso porque parece claro para mim onde a metodologia científica falhou. Pode ser que mesmo assim vacinar vale a pena, não sei, mas o fato que importa é que estamos usando vacinas o tempo todo sem realmente ter testado elas e sem que os usuários sejam alertados quanto a isso - as pessoas são na verdade (mal)informadas que vacinas são uma coisa que só pode ser boa.

Por outro lado me parece que apesar dos problemas metodológicos, existe uma certa replicação aqui, no sentido que vários estudos tem consistentemente mostrado que vacinados contraem mais doenças. Um importante ponto é verificar estudos que contradizem estes, pois no mundo de hoje mais vale ficar famoso publicando informação sensacionalista do que publicar a verdade. Pelo menos para algum, dado que este é o incentivo que somos dados pelo sistema em que vivemos. Então sim, seria possível que estamos falando aqui de alguns estudos que confirmam a nossa hipótese e estamos escondendo os que desconfirmam. Como eu não fui fundo no caso, eu deixo em aberto a possibilidade, mas o bom senso diz que não é o caso.

Nenhum comentário: