domingo, 14 de agosto de 2011

e-reader

Eu acabei comprando um e-reader. E olha que eu era um daqueles que pregava por aí que não tinha como ler no próprio livro. Mas eu tive que mudar de idéia, a tecnologia tem lá suas vantagems. Eu nunca vi muita vantagens nesses Ipads ou nos Iphones, Blackberry ou nos mais antigos celulare. Mas com o e-reader foi diferente.

Eu pesquisei bastante e tem várias coisas interessantes, mas acima de tudo o que me atraiu foi a possibilidade de aumentar a fonte. Os anos passam, ler livro com aquelas letras pequenas já não é a mesma coisa, sabe como é né. O e-reader me seduziu com esse negócio de fazer o tamanho da letra ficar quase igual aquelas propagandas na beira da estrada.

Em segundo lugar vem o fato de você poder carregar um monte de livro pra cima e pra baixo. Muito conveniente para mim, que começo ler um livro, mudo pra outro, depois pra outro e quando vou ver estou lendo 10 livros de uma vez.

Depois o e-reader não é diferente de um livro. Pois é, ele não é igual computador, ele é mais igual uma folha de papél, opaca, sem luz (você não consegue ler no escuro). Alguns me sugeriram o Ipad, mas definitivamente não é a mesma coisa, pelo menos não os Ipads que eu vi. O e-reader é igual uma folha de papel, não é igual uma tela de laptop. Assim é gostoso de ler, cansa menos os olhos.

E o e-reader é provavelmente mais ecológico. Eu deveria pesquisar isso para ter certeza. Mas um livro eletrônico não ocupa o espaço de um de papel, deve gastar menos energia para ser produzido e seguramente gasta menos para ser transportado. Não usa tinta e não ocupa espaço no lixo. Agora, eu não sei qual o custo pro meio ambiente de se produzir um aparelho desses, sei que os livros podem ser produzidos de árvores plantadas e tal, e o papel pode ser reciclado, mas ainda assim existe todo um processo para se produzir papel o que me faz pensar que a longo prazo o e-reader é melhor ecologicamente. Imagino por exemplo jornais, aquele monte de papel que se acumula quando você assina jornal... mas se você assina no e-reader não acumula nada.

E finalmente livros eletronicos são mais barato, muitos são gratis, tipo aqueles do Machado de Assis, José de Alencar, vc acha tudo na internet e baixa sem pagar nada.

Ainda, o e-reader que eu tenho acessa a internet de qualquer lugar do mundo sem pagar nada (embora com um navegador basico e limitado). Eu posso carregar arquivos nele. Músicas. Posso carregar e ouvir podcasts. Ele marca a página de todos os livros que leio automaticamente. Dá para assinar revistas e jornais. Tem um dicionário embutido, que vc pode acessar facilmente quando tá lendo e não sabe o significado de uma palavra. É pequeno, fininho, leve, cabe em qualquer canto.

Mas... o livro de papel sempre vai ser o livro de papel. As letras são pequenas (agora aqui no Canadá tem muitos livros com letra grande que eles chamam "large print") mas apesar disso ler livro é mais gostoso em certo sentido, do que ler e-reader. É mais dinâmico, você pode ir e voltar facilmente para outras páginas. Enfim, eu não vou desfazer dos meus livros nem parar de lê-los, até porque livro de estatística na maioria dos casos não tem versão eletrônica. A tradição de ter livros, de ter uma biblioteca é interessante, legal. Livro é livro e faz parte do que é o ser humano... eu acho que eles nunca desaparecerão e espero estar certo...

Um comentário:

Mayumi disse...

Uia! Boa ideia! Acho que vou começar a pesquisar um e-reader paea mim! Aumenta a fonte? Ótimo! É tudo que preciso!